Buscar
  • Ana Zacharias

um breve instante...





Sou dos abraços fortes e demorados, a demonstração de amor me emociona. Olho nos olhos, chamo para as conversas que nem sempre precisam e são fáceis, mas busco que sejam grandes, potentes e profundas.


Acredito na humanidade, as vezes nem tanto nos atos cotidianos das pessoas, posso chorar com o sofrimento alheio e me importo com as pessoas. Não economizo nem me privo de emitir elogios, digo se acho que é lindo, a beleza necessita estar manifesta. Evito os julgamentos sem validação e, se são necessários, busco na compaixão e na amorosidade as palavras que vão ao coração. Erro muitas vezes, admito o erro, sou sincera quando peço desculpas.


Tenho pensamentos mesquinhos, vontades corruptas, imagino recompensas rápidas, olhando por essa janela, volto a lembrar de como tem sido o exercício de me sentir em paz.


Choro em filmes, em desenhos, em peças de teatro, num show ou simplesmente num comercial. Sou dessas que as lágrimas escorrem dos olhos ao assistir algo que me toca. Aprendi há pouco tempo a levantar os olhos acima do horizonte. E, as vezes olhando o céu, me emociono pela beleza e grandeza de estar viva naquele exato momento! Meu choro é, muitas vezes, de gratidão, de felicidade, de alegria... e sim, algo em mim se quebra, ao ver as injustiças, o sofrimento e as mazelas humanas. Há um soluço escondido na garganta e uma urgência por ver a natureza sendo destruída, a água se acabando, pessoas sofrendo da fome, do medo e da solidão.


Eu trabalho todos os dias para produzir felicidade para o maior número de pessoas e me sinto responsável pelos meus atos porque acredito que a gente precisa deixar melhor ou pelo menos igual por onde passamos.


Dou risada, falo sério... canto alto, oro baixo. Me apaixonei pela vida há alguns anos e é assim que me sinto viva. Acredito no Deus e na Deusa do amor e toda a expressão de amor é bem-vinda. Brinco com os bichos, cutuco as crianças, puxo conversa com os idosos. Esse prazer de simplesmente existir sem ter a pretensão de ser nada além daquele breve instante.

23 visualizações